Buscar
  • Beja Santos

Revisitar uma obra-prima da literatura luso-guineense: Comandante Hussi

Atualizado: 27 de Ago de 2019

Beja Santos: O jornalista José Vegar, no posfácio desta obra prodigiosa, questiona se o leitor se deslumbrou com uma história para crianças que é uma crónica de guerra para leitura dos adultos de hoje, ou uma crónica adulta de guerra esmagada por uma luminosidade só para crianças. A máquina literária de Jorge Araújo, reforçada pelas belas ilustrações de Pedro Sousa Pereira, é de um tratamento alegórico em torno de uma bicicleta que conversa com o seu dono, bicicleta temida por um feiticeiro que influi numa terrível decisão de um tirano que é o Comandante Trovão que manda destruir todas as bicicletas do país tal como Herodes mandou matar as crianças.

É tudo alegoria naquela Guiné-Bissau que vai viver um conflito sangrento que se prolongou de 1998 a 1999, deixando o país mais comatoso. Hussi é um membro da família Sissé, a residir em Porto dos Batuquinhos, na margem de um rio que a seca engoliu. É tudo pobre, mais do que elementar, mas muito rico em convivência. Pobre porque a casa tem paredes de cartão, uma alcatifa de terra batida, as camas são esteiras, a cozinha não passava de meia dúzia de pedras calcinadas e a casa de banho um buraco aberto no quintal. A única mobília era o calendário de Nossa Senhora de Fátima. Tudo paupérrimo, mas tudo nobre na vida de relação, ali vive Hussi com Abdelei Sissé, o pai herói, Dona Geca, os três irmãos de nome Totonito, Tuasab e Doskas. “Viviam felizes, porque a felicidade também se faz de pequenos nadas. Um sorriso, uma palavra de conforto, uma mão de arroz para embalar o estômago, um pedaço de pano para embrulhar o corpo”. Convém que o leitor não se esqueça que está a ler um livro único, aquela petizada adora jogar à bola, o senhor do apito era o brigadeiro Raio de Sol, um velho militar na reserva. Naquele dia não apareceu, todos estranharam. Como tudo decorre sob o manto diáfano da fantasia, temos que adivinhar quem era o brigadeiro Raio de Sol, diz o autor que era mais alto do que uma girafa, mais magro do que um antílope. “Porte altivo, olhar intenso, sorriso discreto, carnes secas e barba cor de marfim”. Homem recatado, como Catão, entregue à semeadura e às leituras. Viu tanto despotismo, tanta criança com a barriga em forma de balão, tanto desemprego, tanta falência quanto aos ideais por que tinha lutado, que um dia se lançou na Guerra do Balão. Instalou-se o caos, caia ferro e fogo sobre a cidade do asfalto, o pai de Hussi mandou a família para a terra dos antepassados, ele foi combater com a gente do brigadeiro Raio de Sol, a Hussi foi recusado levar a bicicleta, ele teve que a esconder, enterrou-a, mas antes encetou com ela uma certa conversa:

“- Mal a guerra acabar, venho buscar-te.

– Prometes?

– Prometo – respondeu Hussi, enquanto deitava mais uma pazada de terra e cruzava os dedos atrás das costas, para dar sorte.

A bicicleta podia finalmente hibernar descansada. Sabia que Hussi era um menino de palavra. Que não ficaria enterrada até ao final dos tempos.

– Vai com Deus – disse com a voz empoeirada de emoção”.

Está na altura de dizer ao leitor que Hussi é de carne e osso, será a mascote dos rebeldes capitaneados pelo brigadeiro Ansumane Mané, foi descoberto pelos jornalistas, exatamente com aquela faixa tricolor com as cores da França, que ele apanhou no rescaldo da derrota do Comandante Trovão, quando todos os mercenários, os aguentas e os adeptos do tirano deram às de vila Diogo. Hussi foge da aldeia dos antepassados, põe-se ao serviço da rebelião. Como não há história para crianças sem passos de mágica e clarões de fantasia, o Comandante Trovão não é somente um déspota sanguinário que mata a torto e a direito os seus próprios sequazes, é supersticioso, acredita piamente nos vaticínios e predições do professor Bambara, “uma criatura minúscula, roliça, óculos de lentes espessas que nem fundo de garrafa, colar de conchas à volta do pescoço”. É ele quem faz saber que os revoltosos possuem uma arma secreta, uma bicicleta mágica, furioso, o tirano exige ver essa bicicleta viva ou morta, à cautela arranjou-se uma bicicleta qualquer e levou-se o selim ao Comandante Trovão, sobre uma bandeja de prata. Em boa hora, a feitiçaria entrou neste conto de fadas cheio de gente de carne e osso. Hussi teve notícia da morte de uma bicicleta, pediu ajuda a uma força expedicionária, encontrou a casa destruída e nem rasto da bicicleta, chorou amargamente. É nisto que vai ocorrer o dia do assalto final. O Comandante Trovão pediu ao professor Bambara que o transformasse em mosca-tsé-tsé. O professor preparou umas mezinhas à base de asas de morcego e olhos de cobra, o Comandante Trovão nunca mais foi visto em carne e osso. Dá-se o assalto final, Hussi anda feliz entre os vencedores. Hussi só sonha em voltar a ver a sua bicicleta. E toda esta história ternurenta com tantos adultos em conflito, levam a que este menino, que gosta do Luís Figo, volte às ruínas da sua casa. É um momento de encanto, para adultos e crianças:

“Foi então que teve uma visão. O talismã – que colocara sobre as cinzas, para proteger a bicicleta na altura da fuga, e que desaparecera quando regressou a Porto dos Batuquinhos com Capacete de Ferro, a fim de confirmar o infortúnio – repousava por ali. Lágrimas de esperança iluminaram-lhe o rosto. Desatou a cavar, as mãos entranhadas na terra avermelhada, desatou a cavar, as mãos à procura do seu tesouro valioso, desatou a cavar, o buraco cada vez mais profundo, desatou a cavar, e nada, nada de bicicleta, nem mesmo um parafuso de consolação.

– Está frio. – Uma voz ecoou das profundezas da terra.

Hussi não prestou muita atenção, estava demasiado concentrado na sua tarefa.

– Agora está morno. – O mesmo ruído de fundo, só que mais audível.

Hussi continuou a busca. A cavar com as mãos cada vez mais avermelhadas, as entranhas da terra cada vez mais esburacadas.

– Está quente, a arder.

Os dedos tropeçaram num objeto metálico, de contornos indefinidos. Bastou, porém, um pequeno movimento do polegar para compreender que o seu tesouro mais valioso estava são e salvo. Todo pintado de lama, os pedais amputados, o selim desengonçado, os raios das rodas a contorcerem-se de alegria. A sua bicicleta estava suja e abandonada. Mas era a sua bicicleta.”

É conto de fadas, é máquina literária ternurenta, de água cristalina, só podia acabar assim:

“Hussi e a sua bicicleta ainda tinham muito que falar. Era toda uma guerra para partilhar. Algumas coisas boas, muito más. À luz do dia, olhos nos olhos, sem transmissão de pensamento. Hussi limpou o retrovisor com o seu velho lenço amarelado, sacudiu o pó que asfixiava o cachecol do Barcelona, colocou a fitinha tricolor do outro lado do guiador, ajustou os pedais com a sola das sandálias. Quando se sentou no selim, sentiu-se outra vez dono do mundo. E os dois pedalaram para a eternidade”.

Comandante Hussi, por Jorge Araújo e ilustrações de Pedro Sousa Pereira, a história do menino-soldado que não perdeu a capacidade de sonhar, é edição do Clube do Autor, 2011. De leitura obrigatória.


7 visualizações