Buscar
  • Beja Santos

Cancro colorretal: saber prevenir e ser resiliente


Mário Beja Santos: Nunca como hoje a literacia em Saúde se revelou tão imaginativa, encontrando soluções luminosas para prender a atenção do público para a importância da cidadania em Saúde. Departamentos oficiais, associações de doentes e promotores de saúde, a própria indústria farmacêutica, organizações não-governamentais que apostam na saúde pública, entre outros, produzem materiais de sensibilização para o que deve constituir uma vida sob o primado da saúde, os estilos de vida saudáveis, a importância dos autocuidados, do diagnóstico precoce, da boa comunicação com os profissionais de saúde, da adesão à terapêutica. Serve este preâmbulo para apresentar uma espantosa iniciativa da associação belga Stop Cancer Côlon, está a ter imensa adesão noutros países, entre nós já está acessível essa inspiradora banda-desenhada que nos ajuda a compreender a importância da prevenção e como o combate ao cancro faz apelo à coragem mais entranhada, em nome da nossa vida tão preciosa (a banda desenhada em pdf pode descarregar-se em https://sdistribution.impresa.pt/data/content/binaries/a56/4f2/c2fc3cfe-19c1-4974-859b-b2d4e8e811c7/Joao.-A-vida-um-combate-que-vale-a-pena.pdf). Mas de que cancro estamos a falar?

O cancro colorretal é a neoplasia que mais mata em Portugal e, numa altura em que é urgente retomar rastreios, esta iniciativa tenta retratar a importância de agir rapidamente numa situação de aparecimento dos primeiros sintomas.

Os números dizem-nos que é fundamental agir precocemente, não adiando a visita ao médico:

- 1 pessoa em cada 20 será confrontada com o cancro do colon ao longo da sua vida.

- O CCR é a 3a neoplasia mais comum em homens e a 2a em mulheres.

- Em 2020, foram diagnosticados em Portugal 10 510 novos casos de CCR (mais de 28 casos por dia).

- Representa 17.4% de todos os cancros diagnosticados.

- A evolução de um pólipo para cancro é um processo muito lento, que demora entre 8 e 10 anos.

- Um modo de vida equilibrado reduz em 25% o risco de desenvolver um cancro do colon.

Sinopse do livro de banda-desenhada João – A vida, um combate que vale a pena, por Luc Colemont e Mario Boon:

“Hoje em dia, fazer cinquenta anos não é nenhuma proeza. Para o João também não foi. Por amor às filhas e à Cidade Eterna de Roma, venceu mais uma vez o medo de voar. Porém, ao regressar, a sua vida foi fortemente perturbada quando lhe é diagnosticado um cancro no cólon. Como se estivesse numa montanha russa, João sofre uma profunda depressão e encontra um novo amor. Na Antiga Roma um candidato a gladiador demorava em média seis meses a atingir o objetivo.

Não é uma coincidência nesta história que a quimioterapia para o cancro do cólon demore mais ou menos o mesmo tempo. Tanto Julius como o João descobrem que a vida é um combate que vale a pena. O cancro do cólon é uma doença ainda pouco divulgada. O doutor Luc Colemont e a associação belga sem fins lucrativos ‘Stop Darmkanker’ (Stop Cancro do Cólon) fundada por ele, lutam incansavelmente para informar o público da importância da deteção precoce do cancro do cólon. Quanto mais informação, maior a probabilidade de diminuir o grau de incidência desta doença. Partilhar informação pode salvar vidas”.

Vamos acompanhar João, um professor de 50 anos, a confrontar-se com a dolorosa revelação do cancro colorretal quando em simultâneo, entra um novo amor na sua vida. Percorre os médicos, fazem-se testes e análises, haverá a quimioterapia. Em simultâneo a banda-desenhada fala-nos do combate de gladiadores, como no Coliseu de Roma um gigantesco gladiador é derrotado por alguém que tudo faz para viver, são desenhos que se vão cruzando com os resultados que enunciam a João que os tratamentos resultaram.

E o próprio livro de banda-desenhada deixa apelos: não adiem e façam o teste de rastreio do cancro colorretal. Março é o mês internacional do cancro do cólon e nunca devemos esquecer a boa notícia que quando ele é detetado num estadio precoce as hipóteses de cura são mais de 90%. Não esqueça: quanto mais informação, maior a probabilidade de diminuir o grau de incidência deste cancro. Partilhe informação pois esta pode salvar vidas.

2 visualizações0 comentário